6 de fev de 2012

Duas belas montanhas em um fim de semana: P1414 e P1389

Nos dias 04 e 05 de fevereiro de 2012, começamos a temporada desse ano de excursões aos cumes do Planalto Central.  Nosso destino foram as duas belas montanhas ainda sem nome, que referenciamos provisoriamente como  P1414 e P1389.  Estão localizadas na borda do  território dos Kalungas na porção norte da Chapada dos Veadeiros.  Para quem ainda não está familiarizado,  essas montanhas não foram balizadas pela população local e nem pelos cartógrafos do IBGE.  Sendo assim, temos o costume de chamá-las pelas altitudes que elas têm em relação o nível do mar.  Neste caso, uma tem 1414 metros e a outra 1389.  Aí estão elas:

    P 1414
 
    P1389

Saímos no sábado às 6h30 da Toca da Coruja rumo à Cavalcante.  Formamos um grupo de 4 pessoas:  Andrea, Fabio, Ernesto e Orlando.  A estrada até Teresina de Goiás está em péssimo estado.  Buracos e mais buracos.  Passamos por Cavalcante e seguimos na estrada em direção ao Engenho II.  O objetivo do dia foi subir o P1414 localizado a cerca de 15 km do Engenho.  Deixamos o carro em uma fazenda próxima à montanha,  pegamos nossas mochilas de ataque e pé na trilha.

Caminhamos cerca de 3km por trilhas de gado, cruzamos uma vereda e campos encharcados até a base do morro.  A partir de então,  duas horas e meia de vara mato e trepa pedra até chegar no cume.  A ralação foi compensada pela vista que tivemos do cume.  Avistamos dois ícones da Chapada dos Veadeiros: o Dedo do Moleque, nosso velho conhecido, no Vão do Moleque e o P1091, no vão do Almas.  Lembramos das lindas e quentes paisagens do Triângulo dos Kalungas.

   Dedo do Moleque
    P1091

Descemos em cerca de 1hora e meia e voltamos em tempo de montar o acampamento num campsite perfeito, tomar um bom banho num córrego de águas cristalinas e ainda curtir um pôr do sol maravilhoso com boa conversa.  Bão demais!!  As fotos falam por si mesmas.



   Ernesto no momento relax.

No dia seguinte,  partimos para o P1389.  Fizeram o ataque ao cume somente Orlando e Ernesto, pois Andrea estava com o joelho machucado e o Fabio ficou fazendo companhia na base.  A ascensão foi tranquila com vara mato e trepa pedra.  Infelizmente,  esses morros não têm trilha de acesso ao cume porque não são quase nunca visitados.  A cultura do montanhismo ainda precisa ser cultivada no Planalto Central.  Em cerca de 1hora,  eles chegaram ao cume.  Fizemos contatos por rádio e descobrimos que o livro de cume estava repleto de formigas, queimado, totalmente danificado.   A descida durou aproximadamente 40 minutos. 

    A caminho do P1389

   Ernesto e Orlando no cume do P1389
Na volta para casa,  paramos para comer uma deliciosa pizza na Oca Lila em Alto Paraíso. Celabramos as ascensões, o ótimo tempo, o contato com os amigos, a vida ao ar livre.  Uma ótima combinação: ralação e curtição na medida certa!

    Da erquerda para direita: Orlando, Fabio, Andrea e Ernesto

Elaborado por: Andrea Zimmermann